2/17/2010

Gastronomia Política

Primeiro pega-se n'o polvo, depois é deixá-lo cozinhar em lume mais ou menos brando (consoante a arte e a agenda da oposição). Et voilá, temos polvo à político lagareiro. Depois é só servir com os assessores e comparsas do polvo, primeiro a lume e depois a murro.

4 comentários:

Teté disse...

Há muitos outros polvos, que nunca vêm a lume...

Moyle disse...

Teté,

e "batatas" que só a murro também :D

Noya disse...

A murro? Quando? Só me lembro de cravos...

Moyle disse...

Noya,

foi pena serem cravos, devia ser lírios roxos.