11/28/2008

A Estupidez Introdutória Que Se Impunha

A História tem estado, desde sempre, ao serviço do Poder. O controlo do Passado permite o controlo do Presente e, por força do argumento, o controlo do Futuro, nas palavras de um famoso historiador anglo-austríaco, do qual o Moyle não vai dizer que se chama Eric Hobsbawm porque não é de intrigas.
De facto, controlando a memória das pessoas e das sociedades, tem-se acesso à legitimação de quaisquer acções que se pratiquem, o que interessa sobremaneira ao Poder e aos grupos que o exercem em qualquer sociedade. Não é de estranhar, portanto, que a história, como disciplina autónoma, tenha surgido a par das primeiras sociedades complexas.
Interessando manter a memória do que aconteceu, ou, pelo menos, uma certa memória que sirva aos interesses do presente, surgiu, associada muito estreitamente aos círculos do Poder, uma classe de pessoas que se dedicaram especificamente ao estudo e perpetuação da memória passada, isto é, os historiadores.
À medida que a leitura e a escrita se estenderam a franjas cada vez mais extensas da população, o discurso histórico foi-se tornando cada vez mais denso, complicado, hermético e de muito restrito acesso a todos os não iniciados na História. Não foi fortuito este processo pois os historiadores, de forma a proteger os seus interesses pessoais e de grupo, isolaram da maioria aquela que era a sua única vantagem competitiva, o conhecimento do Passado.
Toda esta belíssima aula de História serve para dizer que já vai sendo mais que tempo de desmistificar a História, enquanto conhecimento do Passado e fonte de sabedoria, despindo-a das inúteis roupagens com que a esconderam das massas.
Desta forma ser-vos-á servida a Verdade da História, servindo-se assim os sublimes propósitos de difusão a todos da sabedoria e cultura desta tão elevada arte, e nada das manigâncias que apenas pretenderam sempre encerrar nas trevas da ignorância as massas, bovinizando-as, para a sua mais fácil condução pelos poderosos, e para manter os privilégios desse pequeno grupo de (pseudo)intelectuais que parasitam a sociedade, encostados ao Poder.

13 comentários:

Clara Umbra disse...

Gosto! Stop
E muito (enfim, já sabes). Stop
As vozes contra o que diz Ministério da Verdade (em Novilíngua, Miniver)têm de se elevar. Stop
Não são tempo fáceis. Stop

Clara Umbra disse...

Versão revista e aumentada:

Gosto! Stop
E muito (enfim, já sabes). Stop
As vozes contra o que diz o Ministério da Verdade (em Novilíngua, Miniver)têm de se elevar. Stop
Não são tempos fáceis. Stop

Moyle disse...

clara,

eu digo que me enganei a escrever à pressa mas tu fazezeo com estilo :) sim senhor:)

Teté disse...

O quê, as saraivadas históricas são assim tipo o fast food da história, acessíveis para todos?

Por acaso esse conluio de historiadores fez-me lembrar a ordem dos médicos. Não sei bem é que por ordem de ideias, mas tenho a vaga noção que eles se opõem sempre a que haja mais vagas para medicina, quiçá temendo a concorrência. Depois, claro, têm de se contratar médicos estrangeiros...

Por outro lado, a história na mão só de alguns "iluminados" também é perigosa. Em Inglaterra não cortaram dos manuais as referências ao genocídio nazi? Porque os turcos andavam a contestar que aconteceu??? Queres ver que os judeus já andavam a "brincar" no photoshop em 1945???

Nice weekend para ti!

Moyle disse...

teté,

judeus a brincar com photoshop soa bem. não sei porquê mas soa a qualquer coisa com pinta:)

os médicos corporativistas? naaaaaaaaaaa. não sei se acredito:)

História para todos é o que se defende. tipo fast food mas mais ligeira para as artérias:)

[não façam grandes planos porque isto é só mais um desculpa para aparvalhar:)]

Clara E. Umbra disse...

Estilo é o meu nome do meio. ;)

Sorrisos em Alta disse...

O Moyle diz que não, mas o Moyle quer é festa!!!
O Moyle inaugura mais coisas que Governos e Câmaras em ano de eleições!!!!
;o)

Moyle disse...

Clara E. Umbra,

sempre á mais giro que Silvério, por exemplo.

[apelido escolhido totalmente ao acaso numa pessoa da minha família indirecta]

Moyle disse...

sorrisos,

nada de queixas senão não há megafeijoada de rua para o menino:)

Jiminy_Cricket disse...

Megafeijoada? onde? como? porquê? com quem?

Gostei da inauguração do novo tema ;)

beijos

Moyle disse...

jimini,

sim. ali. com feijão. para inaugurar coisas. com quem aparecer.

obrigado:)

beijos

Sorrisos em Alta disse...

LOL

Megafeijoada também não convinha que fosse em recinto fechado...
;o)

Moyle disse...

sorrisos,

qual Bombaim qual quê. isso é que seria terrorismo a sério:)