11/01/2007

Fim dos Finados

O Moyle está em condições de garantir que o governo se prepara para extinguir o feriado de 1 de Novembro. Este ano pode muito bem ter sido o último em que se festejou a memória dos que já partiram fisicamente da companhia dos vivos.
Estas informações, secretas até ao momento, foram obtidas através de uma escuta telefónica que correu mal, pois em vez de escutarem o telefone do Moyle transmitiram para ele, ouvindo-se distintamente a voz de um conhecido membro do governo da República (preferimos manter o anonimato do Ministro das Finanças, uma vez que, se chegasse à opinião pública, poderia provocar uma bela discussão parlamentar) afirmar, passa-se a citar: «Mas para que raio servem os mortos? Não pagam impostos, pois não? Então, tem que acabar este ataque descarado à produtividade nacional em nome de quem já não serve para nada!» Do outro lado alguém ainda perguntou se isso não significaria também o fim da comemoração do 25 de Abril, mas já não foi possível ouvir a resposta, pelo que fica a ideia de que o 25 de Abril poderá passar a ser celebrado ao fim-de-semana.

11 comentários:

Gaja Boa 2 disse...

Gostei.....
Mas a ser verdade quando se festejara o natal e tal???

bjs

Charroco disse...

"Ca gandas malucos !!"


bom fim de semana

Moyle disse...

Gaja Boa 2,
É preciso deixar bem claro que isto são especulações, pois a escuta telefónica não mencionou estes feriados.
Assim, para uma total optimização do calendário festivo em Portugal, no sentido da sua não interferência com esse desígnio nacional que é o aumento da produtividade e, sobretudo, da matéria colectável, temos que: o Natal passará, em princípio, a ser festejado no Sábado antes da Páscoa. Assim, para optimizar as comemorações, festeja-se o nascimento e a morte em dias consecutivos (Nasce hoje, morre amanhã e festeja-se ao fim de semana). Isto tem várias vantagens:
1 - Aplica-se o Simplex ao calendário litúrgico que, e as coisas são mesmo assim, é uma confusão dos diabos e não tem vantagens aparentes em termos de cobrança de impostos.
2 - As Fraldas. O infeliz que é festejado quando nasceu usou fraldas, quando morreu com fraldas ia. Portanto, dá um jeitão aos fazedores de imagens religiosas (i.e Roques Santeiros)que as duas coisas estejam associadas.
2 - No Natal come-se bacalhau e na Quaresma não se pode comer carne, por conseguinte funciona tudo.
3 - Em vez de bolo-rei passa-se a bolo Cristo Rei (de Almada ou o outro), filhoses de abóbora com amêndoas de açúcar, etc., não se passa nada.
4 - A árvore de Natal mantém-se, mas o presépio é dispensável, tanta gente reunida a ver um puto dá má imagem do país trabalhador e produtivo que somos e queremos que os outros saibam sermos.
5 - O que interessa mais, os hipermercados fazem na mesma os descontos de épocas festivas (para o que aumentam os preços nas semanas anteriores), para os dois feriados.

Estas são apenas algumas das vantagens, mas há mais. O Moyle é que, não querendo ser fastidioso, fica-se por aqui. Quanto aos outros feriados, a escuta telefónica não permitiu averiguar mais, pelo que seria abusivo alargar esta especulação para além dos limites do razoável e do bom-senso.

Paulo Sempre disse...

Dos mortos - quase todos -não reza a história..

Bom blogue!!!
Abraço
Paulo

astuto disse...

É uma boa ideia, sim senhor. Espero que o ministro não seja moyle e leva a ideia em frente!

Cumprimentos.

Moyle disse...

Astuto,
o que faz falta a Portugal é exactamente um pouco mais de Moyle. Astúcia (sobretudo na variante de xico-espertismo) é que há a mais.
Mas isto diz o Moyle com os nervos.

Primo Mouco disse...

O gajo do Natal também já quinou há que séculos. Acabe-se com essa merda.

oaltooforteeomoyle disse...

Primo Mouco,
O Moyle acha o mesmo, mas como a reacção é sempre demasiado forte em Portugal, sugerimos precisamente juntar este feriado ao da Páscoa, num mesmo fim de semana, pelas razões previamente apontadas.
A partir de hoje, os únicos feriados deviam passar a ser os dias de Santa Produtividade e da Mártir Santa Matéria Colectável. A diferença para os outros feriados é que em vez de não se trabalhar, aumenta-se o dia de trabalho para 12 horas (só para fazer a experiência).

black puss in white boots disse...

Plenamente de acordo Sr. Moyle, até porque já houve alguém que disse: "os mortos na bebem" se "na bebem" não fazem cá falta nenhuma e quanto mais os feriados em sua honra. Para quê? Só servem para aumentar o défice, o desemprego, contribuir para o PIB, isso dá...6%...de 3000 milhões...6x3,18, aaa...enfim...o melhor é fazer a conta!

Pedro Correia ou Poeta Acácio disse...

Só espero é que o sr ministro não acabe com a páscoa... era uma tristeza pós petizes portugueses! Lá teriam de se contentar sem as amêndoas e sem os ovos de chocolate!

TENHO DITO

Mustafa Şenalp disse...

çok güzel bir site.