11/02/2009

Speculum Mundi

Quando precisamos de tomar uma decisão, mas mesmo uma daquelas coisas realmente importantes, como por exemplo admitir perante os amigos que se é lagarto ou coisas trágicas do género, o ideal é reflectir muito e bem sobre o assunto. O que me leva à brilhante conclusão de que, em matéria de reflectir muito e bem, o conselheiro ideal é um espelho.

6 comentários:

ipsis verbis disse...

AHAHAHAH. Tens toda a razão! :D

13 disse...

De onde desencantas estas tiradas? :D (não vale dizer que é do cérebro, se bem que é uma pergunta retórica)

Teté disse...

Nem mais: o espelho reflecte muito bem o próprio espanto, perante segredos inconfessáveis desses... :)))

Moyle disse...

ipsis,

Eu nunca me engano e raramente tenho dúvidas.

Kahvhakaton III, faraó esquecido da décima oitava dinastia, a primeira do Império Novo (cuja múmia se encontra no museu da presidência, em Belém)

Moyle disse...

13,

são o desespero de quem não tem nada que dizer :D

Moyle disse...

Teté,

segredos como esses duvido que causem espanto, antes um rombo na auto-estima. valia mais afogarem uma depressão em Vat 69 :)