3/12/2009

Nasikabatrachus Sahyadrensis ou Um Amor Sem Limites

Uma coisa que me fez sempre um bocado de espécie foi a natureza da relação entre o Cocas e a Miss Piggy. Plenamente consciente de que esta é uma dúvida que assalta as pessoas, o Moyle decidiu intervir, pronunciando-se sobre a matéria.

Para todos aqueles que julgavam que a relação afectiva entre a rã e a porca protagonistas d’ Os Marretas não era possível biologicamente, desenganem-se. Para todos os outros que, admitindo uma relação afectiva, acreditaram tratar-se de uma forte amizade, espalharam-se ao comprido. Para, ainda, os que aceitaram o relacionamento entre os dois seres como amoroso, embora de um platonismo trovadoresco, estão a andar para trás.

O Moyle está em condições de vos assegurar que a relação entre o Cocas e a Piggy é de luxúria, de sexo excessivo e descontrolado, revelando uma paixão profunda e incondicional. Nunca se questionaram sobre qual seria o motivo de o Cocas ser tão etiopemente magrinho? A resposta reside precisamente no facto de a suína ser absolutamente insaciável em termos sexuais, o que, aliado à sua constituição física mais robusta, exige um esforço enorme ao pobre ranídeo. Mais um pormenor que contribuiu para o aspecto famélico do Cocas. Segundo a Ipsis, a Miss Piggy tem ar de quem fica por cima… O resto imaginem vocês …

Eu sei que vocês estão a pensar que eu só estou a aparvalhar com a palermice do costume, o que até seria sensato da vossa parte. No entanto, tenho provas do que estou a dizer. O tórrido casalinho tem gerado prole que, como não podia deixar de ser, reúne as características combinadas dos progenitores.

Nunca imaginaram como seriam os filhos do Cocas e da Miss Piggy? Agora também já não precisam de imaginar. Foram descobertos, por acaso, nas montanhas do Gates, na Índia, onde se esconderam dos olhos do mundo, com medo da incompreensão e do preconceito generalizado. Se perguntarem ao Moyle, ele acha muito bem que se escondam porque uma rã gorda com focinho de porco não é visão agradável para ninguém.

19 comentários:

Teté disse...

E eu que julgava que o Cocas era um tímido e a Miss Piggy uma aventureira arrojada???

Nada como te ler para afastar esses preconceitos... :)))

Ui, a rã gorda com focinho de porco conseguiu arrepiar-me!!! Talvez os preconceitos não estejam afastados de todo! ;)

Teté disse...

O link da Ipsis está para o seu perfil, mas com tanto blogue, quem consegue encontrar a referência à relação do Cocas com a Piggy???

Moyle disse...

Teté,

nunca esperei ouvir isso de ti, uma pessoa que tenho como inteligente, sensata e culta. Então os animalejos não têm direito à prole? Esse tipo de discriminação é que os levou a refugiarem-se no único país do mundo onde ainda há Peste Negra.

:D

não encontrarás no blog da Ipsis, que é este, qualquer referência ao assunto. A opinião foi expressa num comentário aqui na moylândia :D

ipsis verbis disse...

Moyle,

Tadinha da rã-gorda-focinho-de-porco-pisa-papéis-molhador-de-dedos...

Clara Umbra disse...

Discordo da Teté: o bicho, embora algo repugnantemente viscoso, tem um olhar terno e carinhoso... quase apostava que se beijar um destes...

Moyle disse...

ipsis,

ao contrário do aspecto, tem essa coisa boa que é a polivalência :D

Clara Umbra disse...

Hum... ou a cena dos beijos só funciona com os sapos... [está visto que além de confundir porcos-espinhos com ouriços-caxeiros também troco rãs e sapos... eu é mais Foucault e coisas assim ;)]

Moyle disse...

Clara,

devo alertar-te para essa história dos beijos porque essa história pode não ser bem assim e quero poupar-te um dissabor.

deixa lá isso. acho que só o gajo da Quercus com uma cabeça que parece uma glande é que sabe a diferença. para mim, pelo menos, não sei se estou a comer pernas de rã se de sapo :D

Moyle disse...

Clara,

tendo em consideração o português usado no comentário anterior, é possível considerar-me um imigrante ucraniano que só aprendeu nos últimos seis meses a escrever português.

quando ao que dizes, posso considerar-te pendular, ou uma micro Einstein do poder?

ipsis verbis disse...

Moyle,

pois, é só funcionalidade sem design. :)

Moyle disse...

ipsis,

nem tanto ao mar nem tanto à terra... não pode ser só aspecto nem só utilidade... o truque está na combinação do sapo com a porca :D

ipsis verbis disse...

nem tanto ao mar nem tanto à terra? deve ser por isso que este fabuloso oxímoro se esconde nas montanhas. :)

Moyle disse...

ipsis,

em inglês é bem pior porque é um oximoron :D

ipsis verbis disse...

Moyle,

Ahahaha! :D

Com um aspecto daqueles, "aquilo" só podia ter problemas psicológicos.
Acho que nunca mais vou olhar para o Cocas e Miss Piggy da mesma maneira. (Fecho um dos olhos, ou então faço o pino sempre que quiser ver estes marretas)

Moyle disse...

ipsis,

ágil como a mãe e inteligente como o pai :)

arranja uns óculos de graduação hubble que a coisa também deve resultar:)

ipsis verbis disse...

Moyle,

já olhei várias vezes para o "porcã" e aquilo de ágil não tem nada. mas também posso estar a ser demasiado superficial.

com essa graduação ainda descobria vida alienígena num dos pêlos do cocas. ele até é verde... (isto é do sono, não ligues. preciso de um sleep antes que crash de vez :)


até amanhã :)

Moyle disse...

ipsis,

olha que não :D

vai lá dormir porque um crash só se resolve um reboot e levar com uma bota não deve ser agradável:D

hasta

Clara Umbra disse...

Pronto, pronto, vi a animação, considero-me avisada: beijar sapos nunca (mais)!
:D

Moyle disse...

Clara,

gostei do pormenor do "(mais)" :D