7/25/2008

Olhe que não, Doutor! Olhe que não!

O aumento de licenciados é bastante negativo para o nosso país, nomeadamente no que diz respeito ao funcionamento das Conservatórias do Registo Civil.
Já imaginaram a quantidade de pessoas que todos os dias pedem para mudar o primeiro nome para Doutor?

8 comentários:

Pedro Correia ou Poeta Acácio disse...

eu conheço um que pede que o tratem por shôr engenheiro, e o que é certo é que nem na faculdade anda! hehehehehe
Falta de juízo é o que eu te digo!...

Um abraço

TENHO DITO

Moyle disse...

poeta,

curioso, também conheço um assim:)isto é uma paranóia mas das agudas. ou se calhar é fetiche... será que se mudarmos o primeiro nome para doutor a vida sexual melhora? eh pá, se calhar é isso e nunca ninguém disse nada.

abraço

Clara Umbra disse...

Psch!
Gosto sempre dos comentários em que o Moyle de forma muito subtil (para, alegadamente, «não cair na ordinarice») faz uma concessãozita ou outra à taradice. Sinto-me menos sozinha. ;)

Moyle disse...

clara,

é mais forte do que o Moyle, não dá para evitar. mas não te preocupes que a gente semos muitos, sozinha não estás de certeza :)

Jiminy_Cricket disse...

Oi Moyle,

eu gostar, gostar... gosto daqueles que trepam pelas paredes quando a malta não lhes chama shô professor doutor e só o trata por shôtor.... lindio ;)

mais te digo que se a vida sexual do povo alterasse com o Dr. no inicio já era sabido.

Porque achas que anda tudo calado? hummmmm? muito Dr. e mau sexo, falta dele e por aí ;)

beijos

Moyle disse...

jimini,

tiraste-me um peso da alma. como o Moyle não foi pedir para mudar o nome pensava que lhe andavam a esconder alguma coisa. mas afinal, não.não é que o Moyle precise, obviamente, mas apenas uma questão de andar informado:)

Sorrisos em Alta disse...

Tem as suas vantagens.
Pelo menos para mim, que me esqueço facilmente dos nomes das pessoas.
Assim, vai tudo a eito por Dr e ninguém fica ofendido

Moyle disse...

sorrisos,

nesse aspecto facilita, mas olha quantidade de recursos humanos que exige à administração pública... com esse dinheiro ligávamos por TGV todas as freguesias da área metropolitana de Lisboa.